Entrevista a Diogo Cúmano, Presidente da JSD Distrital de Portalegre

//Entrevista a Diogo Cúmano, Presidente da JSD Distrital de Portalegre

Entrevista a Diogo Cúmano, Presidente da JSD Distrital de Portalegre

O meu nome é Diogo Heitor Cúmano, nasci em Lisboa no dia 21 de fevereiro de 1990 e sou Engenheiro Electrotécnico. Sou militante da JSD em Castelo de Vide, sou membro da Assembleia Municipal e Vice-Presidente da Assembleia Intermunicipal do Alto Alentejo.

 

Como tem sido a experiência de liderar a JSD Distrital de Portalegre?

A experiência tem sido muito interessante porque tivemos de refundar a Juventude Social Democrata no nosso distrito. Apesar do PSD ter força no distrito de Portalegre, os jovens encontravam-se muito afastados da política local, sobretudo quando saíam do distrito à procura de oportunidades de emprego. Uma grande parte dos jovens só vem a casa ao fim‑de‑semana e a JSD motivou a que muitos de nós mantivéssemos uma relação próxima com a terra que nos viu crescer. Por outro lado, conseguimos também que aparecesse uma nova geração de menores que assegurará a continuidade da JSD e na qual eu deposito a minha confiança.

 

Quais as prinicipais preocupações da JSD Distrital de Portalegre? 

As nossas preocupações estão relacionadas com o território porque estamos a falar de uma zona que se encontra muito debilitada. O Alto Alentejo tem sido ignorado ao longo das últimas décadas e os outros distritos receberam muitos mais investimentos do que nós, o que nos colocou em desvantagem. O problema da coesão territorial é nacional mas para nós é absolutamente prioritário uma vez que lideramos o ranking em termos de despovoamento. Preocupa-nos que os jovens Norte-alentejanos cresçam a pensar que nunca vão residir nos sítios onde nasceram, o que agrava ainda mais o problema. Muitos dos nossos amigos partem para nunca mais voltarem e, alguns, nem nas férias voltam.

 

Qual a importância da Universidade de Verão para o Distrito de Portalegre?

A importância é grande porque permitiu aos militantes, como eu, que mantivessem uma relação próxima com a Juventude Social Democrata mesmo quando os órgãos concelhios e distritais não estavam eleitos. Sem dúvida que a Universidade de Verão foi importante para que muitos jovens, sobretudo os Castelo-videnses, pudessem construir uma imagem muito positiva sobre a JSD o que levou a que fosse mais fácil reerguer as estruturas.

 

Quais as prioridades dos jovens do Distrito de Portalegre?

As prioridades dos jovens Norte-alentejanos são duas: combate ao despovoamento e ao desinvestimento público e privado na nossa região. A perda de população leva a que o Estado invista cada vez menos na região e as empresas não tem quaisquer condições para se fixarem. O Estado continua a ser o principal empregador no distrito de Portalegre e escasseiam as oportunidades de emprego no setor privado. É isto que leva a que muitos jovens partam para nunca mais voltarem.

 

Como é que a Juventude Social Democrata pode potenciar as regiões do interior de Portugal? 

A JSD pode e deve potenciar as regiões do interior de Portugal por várias razões. As novas gerações estão a ser totalmente atropeladas pelo aumento do custo de vida em cidades como Lisboa, Porto e Coimbra. As oportunidades de trabalho estão cada vez mais concentradas nestas cidades e os jovens têm de abandonar os seus locais de origem para as conseguirem agarrar. Por outro lado, à medida que esta pressão demográfica vai aumentando, o custo de vida vai sendo cada vez maior e as novas gerações têm mais dificuldade em arrendar casa. Acredito que, se a população estivesse mais distribuída pelo território, estes fenómenos não penalizavam tanto as pessoas com menos rendimento, sobretudo os mais jovens.

2018-08-16T13:32:31+00:0016 Agosto, 2018|