A JSD questionou hoje o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior sobre as 12 mil novas camas nas residências estudantis prometidas pelo Governo a partir do ano letivo 2019/2020.

Com efeito, a falta de alojamento estudantil é hoje um dos maiores entraves à entrada e à frequência do Ensino Superior. Mais de 80% dos alunos do Ensino Superior que estão deslocados não têm lugar numa residência estudantil.

O plano de intervenção para a requalificação e construção de residências de estudantes aprovado pelo Decreto-Lei n.º 30/2019, de 26 de fevereiro, pretendia dar resposta a este grave problema.

Recorde-se que, a propósito do anúncio do referido plano, o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, comprometeu-se com a construção de cerca de 12 mil novas camas a partir do ano letivo 2019/2020, sendo que metade desta oferta estaria disponível nas zonas de Lisboa e Porto.

Estando a terminar o ano letivo 2019/2020, é tempo de questionar o Governo:

  • Onde é que estão as 12 mil novas camas?
  • Quantas novas camas estarão disponíveis a partir do próximo ano letivo?

O objetivo ambicioso prometido pelo Governo está longe de ter sido alcançado. Mas importa quantificar o número de novas camas que estarão disponíveis a partir do próximo ano. Porque o Governo ainda vai a tempo de aumentar esse número através da contratualização com autarquias ou entidades do terceiro setor.

Para a JSD o que não podemos permitir é que nada seja feito e que continuem a faltar milhares de camas. Com isso estamos a dificultar o acesso de milhares de estudantes ao Ensino Superior.