Realizou-se ontem, 2 de julho, o primeiro episódio do JSD Talks, uma rúbrica do JSD Podcast. Este primeiro episódio teve como convidado o Presidente do Partido Social Democrata, Rui Rio, e foi aberto ao público, tendo lugar no Mercado de Santa Clara, em Lisboa.

Sendo que a Juventude Social Democrata se encontra em comemorações pelo seu 45º aniversário, o número de perguntas para esta conversa também foi 45.

Rui Rio respondeu tanto a perguntas de cariz político, como a perguntas de cariz pessoal. A reforma da justiça, as medidas para uma educação de excelência, pensamento sobre mobilidade internacional, e pensar a habitação, foram alguns dos temas falados; mas intercalados com gostos pessoais, como música favorita, o dia mais feliz da sua vida, os seus hobbies, entre outros.

 

Ficam aqui algumas perguntas e respostas:

Qual o livro que todos os jovens políticos devem ler?

Os três livros escritos por Rui Rio ou sobre Rui Rio, incluindo Raízes de Aço, e Rui Rio – De Corpo Inteiro, de Mário Jorge Carvalho.

Gosta mais de trabalhar de manhã, de tarde ou de noite?

Entre as 19h e as 21h. “Sou menos produtivo de manhã, acelero pelas 16h e atinjo pico pelas 21h, depois desacelero”.

Em 1986, apoiou Mário Soares contra Freitas do Amaral. Foi por gostar de Soares ou por não gostar de Freitas?

“Apoiei o dr. Mário Soares nas duas voltas. Aí, não era exatamente a favor de Mário Soares nem contra Freitas do Amaral. A sociedade portuguesa vivia uma clivagem muito grande entre esquerda e direita”, disse.

Com que antigo Presidente do PSD mais se identifica?

Rio confessou a sua “admiração imensa” pelo fundador do PPD/PSD, Sá Carneiro, personalidade política portuguesa preferida, pela sua “maneira de ser e simpatia pessoal e política”, mas reconheceu “o inegável trabalho desenvolvido no país” por Cavaco Silva, durante os dez anos no Governo.

Diga-nos lá qual é a sua maior qualidade e o seu maior defeito?

A qualidade pode ser um defeito: “A excessiva inclinação para o rigor é uma virtude, mas sendo em demasia pode ser um defeito porque acaba por me prender, e posso perder alguma criatividade em algumas coisas”.

Qual o seu prato favorito?

Lampreia à bordalesa.

Nunca perdeu umas eleições. Sabemos que o segredo é a alma do negócio. Mas quais são, na sua opinião, os principais pontos-chave para se ganhar eleições?

Sobre uma espécie de receita para vencer eleições, o líder social-democrata, embora sublinhando que “cada eleição é diferente, pelas suas circunstâncias, como por exemplo as legislativas de 6 de outubro próximo, confiou nos seguintes ingredientes: “seriedade intelectual, coragem e competência, o que, no conjunto, dá credibilidade”.

O dia mais feliz da sua vida?

Não foi o dia em que a filha nasceu, que seria a resposta óbvia, porque o dia do nascimento de um filho é um misto de emoções: muita felicidade e muitas dúvidas. “Será que ela vai conseguir ser feliz?” Por isso Rio elege outro momento: “O dia em que acabei o curso e vi a última nota, foi um alívio muito grande”.

Nós sabemos que o Presidente Rui Rio toca bateria e tem um carro clássico. Qual das duas coisas gosta mais de fazer?

Escolha vai para os carros clássicos porque não toca bateria “tantas vezes quanto isso” e tocar bateria durante muito tempo “faz doer as costas”.

Concorda com a diminuição do IRC até aos 10%?

Rui Rio defende uma redução do IRC para taxas que tornem o país competitivo em relação a países concorrentes, porque, disse, a fiscalidade das empresas “é vital para a captação de investimento”, mas recusou uma descida para níveis de 10% — “isso é incomportável”.

Qual foi a última fotografia que tirou com o seu telemóvel?

Foto da filha a apagar as velas no último dia 22 de junho, dia em que fez 18 anos.

Qual o presente recebido que para si teve mais significado?

Uns binóculos oferecidos pela mãe quando acabou o curso — “porque sei que a minha mãe fez um grande esforço para mos oferecer”.

Que reformas na Justiça faltam em Portugal?

“O regime está profundamente desgastado e não está capaz de responder às exigências da sociedade. Cansou”, começou por dizer Rio, antes de definir como “absolutamente imperativo” a reforma da Justiça, introduzindo “mais transparência, mais eficácia e maior escrutínio democrático”.

Qual é para si a área onde o Governo mais tem falhado?

Rio assinalou os serviços públicos como “área em que o Governo mais tem falhado”, com uma “degradação” que não se lembra de ter visto antes, tanto “no Serviço Nacional de Saúde (SNS) como nos transportes, nos seis meses de espera para o cartão do cidadão ou na parte administrativa da Segurança Social”, além da “ausência sustentada de crescimento económico”.

Qual o seu guilty pleasure?

Tudo o que tenha açúcar.

O que o motiva a sair da cama todas as manhãs?

“O procurar ser útil à sociedade do ponto de vista do serviço público”. Rui Rio diz que tem uma vida dividida entre o serviço público, na política, e a sua profissão no privado, mas não tem dúvidas de que sente maior motivação para servir o público do que os interesses privados. “Troco um salário mais alto no privado por um salário mais baixo no público porque me sinto mais motivado”, disse.

Coca Cola ou Pepsi?

Nenhuma, só água com PH acima de 7, depois vinho, bom, e depois cerveja.

Como justifica as altas taxas de abstenção: Preguiça ou descrença nos partidos políticos?

Rui Rio voltou a defender a ideia de contabilização dos votos em branco em cadeiras vazias. Sublinhando que há uma grande “descrença nos partidos e nas instituições porque funcionam da mesma maneira que funcionavam nos anos 60 ou 70”, Rio defendeu que, se os círculos eleitorais forem mais pequenos, as pessoas conhecem melhor os deputados que elegem, e se os votos brancos se traduzirem na eleição proporcional de menos deputados em cada círculo, então o voto de protesto traduz-se no voto branco e não na abstenção.

“Se um círculo tiver um máximo de 12 deputados, e se os votos brancos forem superiores a 5% então esse círculo só elege 11 deputados, e se os brancos forem mais de 10% só elege 9, e assim sucessivamente”, explicou. Ou seja, “dar importância aos votos brancos para que as pessoas não fiquem em casa é uma forma de contribuir para diminuir a abstenção”.

Um sonho

Ganhar o euromilhões.

Qual será a primeira decisão quando tomar posse como Primeiro Ministro de Portugal?

Nomear os secretários de Estado. Fácil.

 

Vê o JSD Talks com Rui Rio aqui.