A Juventude Social Democrata lança hoje um ensaio sobre o Rendimento Básico Incondicional (RBI). A reflexão visa debater um tema que tem vindo a atrair a atenção crescente no âmbito da organização da sociedade, da economia e do trabalho. Através de uma abordagem teórica e técnica, este ensaio visa responder aos principais desafios que a implementação do RBI suscita.

Com a crescente automação dos processos produtivos e com a necessidade de reduzir desigualdade e pobreza a nível mundial, o debate teórico e político em torno de soluções que garantam condições de vida dignas a todos os cidadãos tem levado a que a implementação do Rendimento Básico Incondicional seja discutida em vários fóruns e até já tenha sido alvo de projetos-pilotos.

Nesse sentido, a JSD decidiu refletir sobre o Rendimento Básico Incondicional com um ensaio produzido pelo Gabinete de Economia e Finanças da nossa estrutura. O RBI é um pagamento mensal feito a todos os cidadãos de um país, sem condicionantes, requerimentos ou candidaturas. Resumindo, é um rendimento mensal monetário que cada cidadão aufere.

Para o Coordenador do Gabinete que elaborou este ensaio, Rodrigo Camacho, “apesar de interessante, uma solução como o RBI terá sempre de enfrentar um sério desafio, o da sustentabilidade e impacto nas contas públicas.”

Rodrigo Camacho defende ainda que “o RBI terá sempre uma grande dificuldade em afirmar-se como uma alternativa credível às atuais soluções em vigor enquanto existir a pressão para manter as contas públicas equilibradas. Enquanto os vários estados europeus competirem ferozmente pela atração de investimento direto estrangeiro, enquanto existirem tratados orçamentais a respeitar, muito dificilmente veremos uma solução como o RBI a tornar-se realidade”.

O ensaio da JSD sobre o Rendimento Básico Incondicional pode ser lido aqui.