JSD propõe agenda para a Saúde Jovem da próxima década

A Juventude Social Democrata apresenta hoje um documento com várias propostas políticas prioritárias para a próxima década no âmbito da promoção da Saúde Jovem. As propostas da JSD estão organizadas em torno de seis áreas principais – saúde mental, atividade física, alimentação saudável, violência juvenil, dependências e literacia em saúde.

Depois de um ano com impacto tremendo na saúde dos portugueses e no próprio sistema de saúde, a JSD considera que é crítico aproveitar este contexto para assumir um novo compromisso com os cidadãos em matéria de políticas de promoção da saúde, nomeadamente a partir das novas gerações.

Entre as propostas da JSD, está o aumento da capacidade instalada para apoio psicológico na totalidade da rede escolar (reforçando o Projeto de Resolução da JSD sobre a Saúde Mental das Novas Gerações); incentivos fiscais para a prática de desportiva até aos 25 anos; o reforço de estratégia e meios alocados a uma abordagem multidisciplinar ao bullying e violência nas escolas ou a criação, em contexto escolar, do projeto “Jovem Assembleia da Saúde”:

“Quando queremos promover a saúde, pretendemos educar, sensibilizar, capacitar, e promover hábitos que, a longo prazo, se traduzam em menor carga de doença para sociedade. E este é um trabalho que deve, estratégica e comprovadamente, ser reforçado junto das crianças e jovens”, afirma Alexandre Poço, Presidente da JSD. “A prevenção é, há demasiados anos, relegada para um plano secundário da política de saúde”, conclui.

As propostas resultam de um trabalho reflexivo desenvolvido pelo Gabinete de Saúde da JSD no âmbito da auscultação púbica promovida pelo Conselho Nacional de Saúde, a propósito precisamente da construção de uma Agenda Nacional para a Saúde Jovem 20-30.

“Reconhecemos e suportamos a ideia de que não há efetivas agendas políticas para os jovens, sem os jovens. E com este contributo, que endereçámos também ao Conselho Nacional de Saúde, procurámos cumprir isso mesmo”, afirma também o Coordenador do Gabinete de Saúde da JSD, João Diogo.

Em cada 3 jovens portugueses, um deles sofre ou já sofreu de algum tipo de perturbação mental, outro apresenta excesso de peso e o último deles revela níveis preocupantes de literacia em saúde.

É igualmente relevante o facto de 84% dos jovens portugueses não praticar suficiente atividade física, num tempo em que a dependência excessiva de ecrãs é cada vez mais alarmante. Por outro lado, a defesa inabalável de um país e uma sociedade de respeito, tolerância e justiça obriga-nos a um combate intransigente para com o bullying e a violência que, aos dias de hoje, ainda se relata em contexto escolar e isso cruza-se, também, com o domínio das políticas de saúde.

“Há um retrato preocupante nestes indicadores de saúde da juventude portuguesa, que é urgente inverter”, diz Alexandre Poço. “A JSD estará sempre na linha da frente quando se trata de pensar e projetar um país melhor, à altura dos desafios do futuro. E promover uma sociedade e gerações mais saudáveis é, sem dúvida, um dos mais prioritários”, conclui o Presidente da JSD.

Conhece as propostas da Agenda Política para a Saúde Jovem da JSD.